“Problema do Brasil não é o funcionário público”, diz Rodrigo Pacheco

Senador defendeu uma reforma administrativa que não demonize o servidor e que torne o funcionalismo público mais “atraente e produtivo”.

Você ainda pode ler 5 conteúdos este mês

Valorize o conteúdo feito especialmente para você, servidor do Poder Judiciário.

Já é associado? Faça seu login e desbloqueie todos os conteúdos do site.

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).  - Poder 360

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). – Poder 360

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), defendeu, nesta segunda-feira (29/11), a tramitação urgente de uma reforma administrativa no Congresso Nacional. O senador, contudo, ressaltou que “o problema do Brasil não é funcionário público” e que os servidores “não podem ser demonizados”.

“Está aí a pandemia para nos mostrar o que foi o Sistema Único de Saúde [SUS] brasileiro para poder salvar vidas. Dia e noite, sem hora extra, o sujeito trabalhando lá para assistir a população”, explicou o parlamentar em encontro com a Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Paraná (Faciap).

Leia Mais


Guedes busca reconciliação com funcionalismo, enquanto reforma administrativa patina
Especialistas avaliam que o ministro da Economia está isolado em relação à PEC 32.


Reforma administrativa: principais notícias da semana (22 a 26/11)
Governo tenta buscar apoio para aprovar a reforma administrativa. Servidores continuam com mobilizações contra a proposta.


Reforma administrativa não deve ser aprovada este ano, diz Arthur Lira
Votação no plenário seria realizada em setembro, mas a falta de apoio adiou os planos.

Aos empresários, o senador defendeu uma reforma administrativa que não demonize o servidor e que torne o funcionalismo público mais “atraente e produtivo”. “Temos de atrair pessoas vocacionadas. Não podemos ter uma realidade em que o emprego público é muito melhor, remunera mais e dá uma estabilidade infinita”, defendeu.

Segundo o presidente do Senado, a dificuldade em dar celeridade à tramitação de uma reforma sobre a remodelação do funcionalismo público decorre do receio de parlamentares de tratar do assunto às vésperas das eleições de 2022.

“Em razão de ser um ano pré-eleitoral, há uma dificuldade [para a reforma tramitar] que não era para existir, porque a reforma vai alcançar apenas os entrantes no funcionalismo público. Vejo esse como melhor modelo possível, uma reforma de Estado para daqui pra frente”, explicou.

Pacheco disse ser “simpático” à reforma. “A Câmara está com alguma dificuldade [para fazer a reforma andar], mas tem toda a simpatia deste presidente para que haja uma evolução que resguarde direitos adquiridos e que pense num plano mais inteligente para atrair talentos e valores”, completou.