Gerais

Semana no Senado deverá ser decisiva para o ajuste fiscal

29/06/2015 12:03 | Fonte:

-

A+ A-

Com o recesso parlamentar se aproximando, o Senado pode ter uma semana decisiva para o ajuste fiscal defendido pelo governo federal para reequilibrar as contas públicas. A partir desta terça-feira, 30, os parlamentares devem se debruçar sobre propostas que podem trazer debates polêmicos para a Casa.

Entre os projetos que podem ser votados está o texto que reduz as desonerações nas folhas de pagamento de mais de 50 setores da economia – considerado crucial pelo Executivo –, e o projeto que concede reajuste de até 78% para servidores do Judiciário e que contraria os interesses do governo.

A votação do reajuste para os funcionários do Judiciário está pautada para esta terça há duas semanas pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Nos últimos dias, tem sido comum a presença de servidores nas dependências da Casa para pressionar os senadores a aprovar o texto.

O reajuste, que varia de 53% a 78,56%, seria concedido de acordo com a função exercida por cada servidor. Se aprovado, o aumento será escalonado, em seis parcelas, de julho de 2015 até dezembro de 2017. O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão estima que o aumento custará R$ 25,7 bilhões nos próximos quatro anos.

Devido ao impacto nas contas públicas, Renan se comprometeu a aguardar que o governo apresentasse uma proposta dentro do orçamento federal que contemplasse os três Poderes, não só o Judiciário.

Na última quinta, 25, o Ministério do Planejamento propôs reajuste de 21,3% para todos os servidores federais a partir de 2016. A proposta foi levada para o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, pelo titular da pasta, Nelson Barbosa.

Com as negociações em curso, é possível que, mesmo com a forte pressão que deve ocorrer nas galerias da Casa, a votação seja adiada para o mês de julho, já que uma nova reunião entre governo e as entidades que representam os funcionários públicos foi marcada para 7 de julho.

Desonerações

Aprovado na última quinta pela Câmara dos Deputados, o projeto de lei que reduz as desonerações das folhas de pagamento pode entrar na pauta do Senado também nesta semana. O texto é o último do pacote de ajuste fiscal enviado pelo governo.

Antes de ser enviado como projeto de lei para o Congresso, o governo havia editado uma medida provisória que foi devolvida por Renan Calheiros para o Palácio do Planalto. Na ocasião, Calheiros reclamou da falta de diálogo entre os dois Poderes. O governo acabou reecaminhando a proposta ao Congresso, mas como projeto de lei.

O projeto estabelece que empresas que pagam alíquota de 1% de contribuição previdenciária sobre a receita bruta ao Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) passarão a pagar 2,5%. Setores que hoje pagam alíquota de 2% passarão a contribuir com 4,5%. A proposta abre exceção para algumas áreas, que terão um aumento de imposto menor do que o governo propôs ao enviar o projeto de lei ao Congresso.

Nos últimos dias, Renan Calheiros foi questionado por diversas ocasiões sobre a votação e evitou comentar sobre como a matéria será tratada pelos senadores. Apesar disso, o peemedebista afirmou que tem "muita preocupação" com a aprovação do projeto.

"Eu tenho muita preocupação que o fim da desoneração da folha acabe agravando o quadro recessivo e possa desempregar em massa. Mas cabe ao Congresso Nacional, repito, propor saídas, caminhos. Não dá para a gente ficar comentando", disse Renan. "Essa questão da pauta-bomba não vai preponderar no Legislativo, nós temos absoulta precoupação com o equilíbrio fiscal."

Petrobras

Outro projeto que pode ser votado nesta semana é o que desobriga a Petrobras de participar do modelo partilha de produção de petróleo, que vigora na exploração da camada pré-sal. A proposta já passou pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ) e agora está na fila para votação no plenário da Casa em regime de urgência. O texto, no entanto, será analisado por uma comissão geral de especialistas antes de ser submetido à votação pelos senadores.

O texto propõe que seja retirada da Petrobras a exigência de ela ser operadora exclusiva dos campos de petróleo no pré-sal. Essa seria uma forma de fortalecer a empresa no cenário atual de crise, de acordo com o senador José Serra (PSDB-SP), autor do projeto. Para ele, a Petrobras não tem condições de, atualmente, atender à exigência de participação mínima de 30% nos grupos de exploração e produção do pré-sal.

Pela lei atual, aprovada em 2010, a Petrobras deve atuar como operadora única dos campos do pré-sal com uma participação de pelo menos 30% na exploração. Além disso, ela deve ser a empresa responsável pela condução e execução, direta ou indireta, de todas as atividades de exploração, avaliação, desenvolvimento e produção.

abortion real life stories abortion laws in the us abortion clinics rochester ny
abortion clinics in greensboro nc weeks of pregnancy abortion vacuum
after an abortion terminating early pregnancy las vegas abortion clinics
will my girlfriend cheat site cheat on my girlfriend