Gerais

Presidente do TRT15 defende qualificação e aumento do quadro

27/04/2015 14:19 | Fonte:

-

A+ A-


Na presidência do TRT15 desde dezembro do ano passado, o desembargador Lorival Ferreira dos Santos revela os desafios do segundo maior Regional do Trabalho do país.

Com sede em Campinas, o TRT da 15ª Região é o segundo maior do país em estrutura e em movimento processual. São 153 varas do trabalho, dez postos avançados, duas varas itinerantes, abrangendo 599 municípios e mais de 21 milhões de pessoas. 

Em 2014, a 1ª instância da 15ª recebeu um total de 305.582 ações trabalhistas na fase de conhecimento e resolveu 264.775. Em 2ª Instância, foram autuados 108.456 processos e solucionados 104.124. Na 1ª Semana Nacional de Conciliação Trabalhista, realizada em março deste ano, o Tribunal foi o primeiro colocado em valores homologados com R$ 91,8 milhões. O número representa mais de 20% do total de R$ 446 milhões obtidos durante o evento, em 68 mil audiências. 

Na presidência do Regional desde dezembro do ano passado, o desembargador Lorival Ferreira dos Santos, em entrevista concedida à assessoria de comunicação da ANAJUSTRA, fala do desafio de administrar esses números e, ao mesmo tempo, valorizar o quadro de funcionários que apresenta déficit de cerca de mil servidores. 

O presidente também revela sua preocupação com a qualificação de magistrados e servidores, as condições das unidades de 1º e 2º Graus e a saúde dos que atuam na JT, ressaltando que só se pode chegar a uma decisão justa quando tudo isto está em equilíbrio. 

Na entrevista, Santos também fala da atuação da ANAJUSTRA e do cumprimento da decisão judicial da Ação dos 13,23%. 

Leia e confira

• O senhor assumiu a presidência do TRT de Campinas em dezembro do ano passado, mas está na Justiça do Trabalho desde 1986. Considerando esses anos, quais avanços o senhor destaca na Justiça Trabalhista?

Entre os últimos avanços, o Processo Judicial Eletrônico (PJe) é o mais importante que ainda estamos experimentando. Para o Poder Judiciário, em geral, ele foi muito oportuno por propiciar uma maior rapidez ao Judiciário extinguindo aquele tempo "morto" do processo. Evidentemente, existem outros avanços. A 15ª Região cresceu e se reestruturou, por exemplo. Em 2002, fizemos a reestruturação do Regimento Interno que dividiu as turmas em câmaras. Fomos o primeiro Regional a fazer isso. Além disso também temos as sessões especializadas como a que cuida de todos os dissídios coletivos e também dos dissídios de representação. Ou seja, houve várias mudanças e elas trouxeram operacionalidade ao Judiciário Trabalhista.

• Qual o maior desafio em administrar o segundo maior TRT do país?

São vários os desafios. Conciliar uma boa gestão de processos e de pessoas talvez seja o maior. Não chegaremos a uma decisão adequada se não tivermos uma qualificação do quadro de pessoal, tanto de magistrados quanto de servidores. 

• Quais serão as prioridades da sua gestão?

As vezes você ataca concomitantemente  várias frentes. Uma delas é a qualificação do quadro. Por outro lado, pensando na prestação jurisdicional mais rápida, criamos o Centro Integrado de Conciliação e estamos lançando um novo olhar para o tema porque é da vocação da própria Justiça do Trabalho ter esse caráter conciliatório, além disso, com essa explosão de demanda que se verifica no país, precisamos buscar formas alternativas de solução de conflitos e na JT a conciliação tem tido sucesso. O TRT de Campinas ficou em primeiro lugar neste ano. Os 24 TRTs alcançaram um montante de 446 milhões e só o nosso chegou a 92 milhões, um recorde. 

• Em algumas oportunidades, nestes meses na Presidência, o senhor ressaltou a importância de melhorar as condições das unidades de 1º grau. Algo já foi feito neste sentido?

Estamos dando continuidade às melhorias que vinham sendo feitas pela administração anterior  e fazemos isso porque queremos ter um "prédio" a altura da dignidade do Poder Judiciário do Trabalho e que nele os trabalhadores, empregadores, servidores, juízes e advogados tenham local adequado para suas atividades. Uma boa sala, com amplitude, com computadores, ar-condicionado, etc. O Tribunal vem zelando por isso. Fizemos essa recomendação e estamos sistematicamente inaugurando prédios novos ou reformando e  adequando-os para a nossa realidade atual.

• E no 2º grau?

O Tribunal está bem instalado, mas estamos fazendo reformas em alguns andares para adequar banheiros, salas de sessões. Também adquirimos equipamentos, notebooks e estamos sempre realizando palestras, seminários, congressos, afim de manter nosso quadro atualizado, porque são essas as ferramentas de trabalho de quem atua na Justiça. 

• O senhor também se manifestou a respeito do déficit de servidores no TRT15. Em quanto é preciso aumentar o quadro do Tribunal e quais áreas mais precisam de servidores?

Falta cerca de mil servidores no nosso Regional. Há uma demanda por cargos na área administrativa, mas o maior déficit está na atividade fim, aquela que auxilia o juiz no julgamento. Por dia, recebemos só da instância recursal, em média, dez processos para cada desembargador. E depois nós temos as competências originárias, cada desembargador pertence a uma turma e a uma câmara. Em cada uma das 153 Varas do Trabalho da 15ª Região faltam até seis servidores. Isso também acontece nos gabinetes e postos avançados. Nos gabinetes, pelo volume processual, deveríamos ter 16 servidores e temos apenas 10. 

• A qualidade de vida e trabalho é cada vez mais almejada por profissionais do setor privado e também do público. Como garantir isso aos servidores?

Essa é uma preocupação constante já que, com o número crescente de processos, há um adoecimento de magistrados e servidores. No Tribunal do Trabalho de Campinas temos os setores de saúde e de assistência social que estão atentos aos riscos e que realizam eventos para discutir o tema. Há uma recomendação do departamento de fisioterapia em toda a 15ª para paradas e realização de exercícios preventivos, que é uma tentativa de amenizar o impacto do PJe. Temos também um calendário anual com campanhas preventivas contra o tabagismo, obesidade, por exemplo. Além disso, em boa hora, o próprio CNJ (Conselho Nacional de Justiça) também está lançando um novo olhar sobre a qualidade de vida no Judiciário e está aberto ao debate.



• Quais outras ações podem ser promovidas em benefício de servidores e magistrados?

O Tribunal é um órgão público que depende de orçamento. Esse ano trabalhamos com duodécimos e estamos na expectativa que a presidenta assine o orçamento. Temos dificuldades orçamentárias e só podemos trabalhar com aquilo que a lei permite.  Mas nós temos uma agenda aberta para ouvir os servidores, suas queixas e sugestões, esse é nosso diferencial. Fora isso, há também o custeio parcial da saúde, que tentamos melhorar a cada ano. 

• A ANAJUSTRA teve a sua fundação estatutária em 2001. Como o senhor avalia o trabalho desenvolvido pela ANAJUSTRA  no TRT da 15ª Região ao longo dos anos?

Eu tenho visto que a ANAJUSTRA tem uma combatividade muito boa porque defende aquilo que é justo em suas ações.  É importante que uma entidade de classe tenha a dimensão do que se pode tentar administrativa ou judicialmente e aí entra o bom trabalho da ANAJUSTRA. Oxalá, as outras entidades no âmbito privado tivessem essa representatividade. No serviço público a estabilidade dá essa segurança para reivindicar e entendo que é isto que se deve fazer, esclarecer, coordenar, defender e representar, muitas vezes em juízo. 

• De que modo o Tribunal Regional do Trabalho da 15º Região tem efetivado o cumprimento da decisão transitada em julgado obtida pela ANAJUSTRA acerca da a incorporação do índice de 13,23% sobre os vencimentos dos servidores associados desse Regional?

No primeiro momento que recebi a notícia determinei que se cumprisse a decisão judicial. É lógico que ficamos adstritos com a relação do processo. Recentemente chegou-nos a ampliação dela pelo magistrado e estamos cumprindo. Entendo que este foi um benefício justo já que não se obedeceu a isonomia. Se reconhece também que os servidores estão há vários anos sem reajuste.Temos a expectativa de que o aumento seja aprovado, uma vez que a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) já o aprovou.

why women cheat reasons why women cheat on their husbands why married men cheat
abortion clinics in greensboro nc during pregnancy abortion vacuum
abortion clinics in greensboro nc abortion clinics in the bronx abortion vacuum
after an abortion terminating early pregnancy las vegas abortion clinics