Gerais

Aumento para juízes comprometeria a prestação de serviços pelo governo, diz AGU

25/09/2014 14:05 | Fonte:

-

A+ A-

O advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, enviou parecer ao Supremo Tribunal Federal (STF) contrário ao pedido para que a Presidência da República seja obrigada a incluir no orçamento de 2015 a proposta de reajuste salarial para os ministros da corte, juízes de todo o país e servidores de tribunais. Adams argumentou que, se a proposta for aprovada, o Executivo perderá 35% da receita, comprometendo a prestação de serviço público.

“Para se assegurar reajuste remuneratório e pagamento de vantagens pecuniárias aos servidores e membros do Ministério Público da União e do Poder Judiciário, cuja importância, registre-se, não se está a questionar, estar-se-ia impondo corte drástico de 35,1 % das verbas destinadas ao funcionamento do Poder Executivo e ao custeio de políticas públicas e de serviços também essenciais”, diz o documento, que alerta para o risco de “severa e efetiva redução na prestação de serviços públicos de relevância para a sociedade brasileira”.

Hoje, os ministros do STF ganham R$ 29.462 por mês. Eles querem um aumento de 22%, que elevaria o valor para R$ 35.919. O reajuste teria impacto em toda a magistratura brasileira, que tem os salários calculados com base nos contracheques dos integrantes do STF. Há proposta de reajuste também para os servidores. O presidente do Supremo, ministro Ricardo Lewandowski, enviou a proposta para a presidente Dilma Rousseff, mas ela se recusou a incluir as cifras no orçamento encaminhado ao Congresso Nacional.

Em seguida, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e associações de juízes entraram com ações no STF pedindo que o Executivo seja obrigado a incluir os recursos do reajuste no orçamento. A relatora do processo é a ministra Rosa Weber. Com a ajuda do parecer de Adams, ela vai elaborar um voto e levar o assunto ao plenário para julgamento.

No documento, o advogado-geral da União ressalta que há uma crise financeira no país incompatível com o percentual de reajuste pedido pelo STF. “Ora, se a previsão da arrecadação não é das mais favoráveis, conclui-se que a proposta do Poder Judiciário é absolutamente incompatível com a realidade fiscal da União, porquanto contempla um aumento de despesa de pessoal substancial, sem prejuízo, é claro, do efeito cascata que isso gera para os demais entes federativos, que, já fragilizados, teriam que arcar com os aumentos a serem concedidos aos membros dos Poderes Judiciários correspondentes”, afirmou Adams.

Para o advogado-geral, “a autonomia financeira do Poder Judiciário não pode ser interpretada como um cheque em branco”. Adams ponderou que a concessão do aumento “ensejaria, inevitavelmente, resultados extremamente danosos para as contas públicas”. Ele também escreveu que a proposta do Judiciário “é incompatível com os parâmetros fixados pela Lei de Responsabilidade Fiscal, que impõe a todos os órgãos o cumprimento de metas de resultados entre receitas e despesas”.

why women cheat reasons why women cheat on their husbands why married men cheat
abortion clinics in greensboro nc abortion clinics in the bronx abortion vacuum
when your wife cheats read how to know your wife cheated