Acervo

Direito será sabatinado no Senado nesta quarta-feira

29/08/2007 00:00 | Fonte:

-

A+ A-
Indicado para o Supremo Tribunal Federal, o ministro Carlos Alberto Menezes Direito será sabatinado pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado nesta quarta-feira (29/8). O relator da sabatina será o senador Valter Pereira (PMDB-MS). Aprovado na CCJ, o ministro deve ter o nome submetido ao plenário da casa na mesma tarde. Sua posse no Supremo seria no dia 5 de setembro, uma semana depois.

Leia abaixo o perfil do ministro do STJ, publicado no Anuário da Justiça 2007 ? publicação que a revista Consultor Jurídico lança nesta quarta-feira, no Supremo Tribunal Federal. Carlos Alberto Menezes Direito foi indicado, nesta terça-feira (28/8), pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ocupar vaga no Supremo aberta com a aposentadoria antecipada do ministro Sepúlveda Pertence.

Generosidade no julgar

Ministro leva em conta o drama humano ao examinar processos

Há mais de 10 anos no Superior Tribunal de Justiça, o ministro Carlos Alberto Menezes Direito tem em mente que, quando examina um processo, está diante de autos que refletem um drama humano, e é esse aspecto que sempre leva em consideração. ?O juiz faz justiça interpretando a lei da melhor maneira, sempre para o bem. E só é bom juiz quem é generoso. Quem não tem generosidade não pode ser um bom juiz?.

O ministro tem plena consciência da expectativa do jurisdicionado e do advogado de que o juiz examine pessoalmente o caso. Isso ele faz e demonstra nos debates nas sessões. É famoso por sua memória privilegiada. Lembra com facilidade qualquer ponto debatido em qualquer parte do processo, mostrando profundo conhecimento de cada peça. Discute constantemente com os pares os processos e manifesta sua opinião nos temas e nas teses postas. Autor de diversos livros, prepara uma nova obra, Direito Positivo Aplicado, que escreve amparado em estudos e votos já proferidos.

O volume crescente de trabalho no STJ, motivo de angústia de todo o seu corpo de ministros e servidores, é também uma preocupação de Menezes Direito. O ministro afirma, contudo, que isso não é motivo para desespero. ?É preciso trabalhar o dia-a-dia, na medida do possível, dentro da capacidade de cada um. Se cada um cumprir com a sua obrigação, no lugar em que está, as coisas andam melhor, como dizia Max Weber?.

Sobre os novos instrumentos criados pela reforma do Judiciário objetivando aliviar esse problema, o ministro acredita que a súmula impeditiva de recursos resolve pouco, mas a súmula vinculante ajuda bastante. Observa que a súmula impeditiva não impede que os recursos cheguem ao STJ. Com ela, ficam obstados apenas os recursos que estiverem em conformidade com entendimento da Corte. O ministro entende, porém, que ninguém tem fórmula mágica e que nenhuma solução será viável se não considerar a redução dos graus recursais. Também não há mudança possível, em sua opinião, sem alteração na cultura do processo.

Como trabalha

Muito discreto e reservado, o ministro Menezes Direito defende que o STJ deve preservar sua jurisprudência, independentemente da sua composição. Mas admite que ao longo do tempo, a lei muda e a sua interpretação deve caminhar no mesmo sentido. Mas insiste: a manutenção e a estabilidade da jurisprudência é o que dá segurança ao jurisdicionado. Exceções, só quando peculiaridades do caso concreto assim o exigir. Apoiado em precedente da Corte o ministro, acompanhado por seus pares na 3ª Turma, reduziu indenização a ser paga por um veículo de comunicação a um homem acusado em reportagem de fatos comprovados inverídicos por decisão judicial. Considerando que o personagem não era o foco principal da reportagem, o ministro reduziu em quatro vezes o valor da indenização, compatibilizando-o com padrão razoável, apoiado nos autos.

Como vota

O ministro está certo de que o juiz não pode julgar conforme seu princípio de justiça e sim de acordo com a lei, tomando seu sentido mais humano e cristalino, levando em conta o que ela tem de melhor para solucionar determinado conflito. Para ele, o juiz nunca pode substituir a interpretação da lei por suas convicções pessoais. ?Fora da lei não há liberdade, sem liberdade não há democracia, e sem democracia não há cidadania?, ressalva. Metódico e organizado faz questão de redigir cada voto sempre enriquecido de citações literárias. Em 2006, a 3ª Turma do Tribunal acompanhou por unanimidade entendimento do ministro de que é possível ajuizamento da representação pelo Ministério Público para apurar a responsabilidade dos pais quanto à freqüência escolar do filho. No caso concreto havia Termo de Responsabilidade assinado não cumprido pelos pais. ?Todos sabemos da ineficiência do Estado nos cuidados com a infância e adolescência (...). Mas isso não significa alijar do cenário a responsabilidade dos pais, embora em muitas circunstâncias seja-lhes difícil dispor de meios para tanto?.

Como recebe advogados

O ministro recebe todos os advogados, sem restrição. Chegou ao Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro por meio do quinto constitucional dos advogados. Se estiver disponível no gabinete, atende o advogado a qualquer hora. Aconselha que os profissionais marquem horário por questão de segurança, para que não percam viagem. Muito atencioso e cordial com os advogados, lê todos os memoriais que recebe e estuda os processos com muita atenção. Durante as sessões também está sempre atento à sustentação oral dos profissionais.

Tempo livre

Apesar de apreciar cinema e gostar de freqüentar livrarias, nos finais de semana prefere ficar em casa desfrutando do convívio familiar. Adora seus filhos e netos. O hábito da leitura é um prazer. Sua biblioteca, com mais de 10 mil títulos, mostra isso. Biografias e livros sobre a história nacional e mundial são os seus prediletos. Também aprecia livros sobre política e filosofia. O ministro também costuma fazer caminhadas.

INFORMAÇÕES PESSOAIS

Nome: Carlos Alberto Menezes Direito
Nascimento: 8 de setembro de 1942, em Belém (PA);
Estado civil: Wanda Vianna Direito
Filhos: Luciana Maria, Carlos Alberto e Carlos Gustavo
Formou-se em faculdade particular
Posse: 27 de junho de 1996
Nomeação: Fernando Henrique Cardoso
Aposentadoria: 8/9/2012
Turma: Terceira
Seção: Segunda ? Direito Privado
Corte Especial: Sim
Origem: Justiça Estadual
CONTATO
SAFS Quadra 6, Lote 1, Trecho III, 6º andar
Brasília, DF
Fone: (61) 3319 6046
E-mail: gab.carlos.direito@stj.gov.br
ATIVIDADE PROFISSIONAL
Na iniciativa privada
Professor (desde 1967);
No judiciário
Desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (1988 a 1996);
No serviço público
Secretário de Educação do Rio de Janeiro (1987 a 1988);
Presidente da Casa da Moeda do Brasil (1985 a 1987);
Prefeito em exercício do Rio de Janeiro (1979 e 1980);
Chefe de gabinete do prefeito do Rio de Janeiro (1979 a 1980);
Chefe de gabinete do ministro de Estado de Educação e Cultura (1975 a 1978);
ATIVIDADE ACADÊMICA
Graduação
Bacharel em Direito pela PUC-RJ (1965);
Pós-graduação
Doutor em Direito pela PUC-RJ (1968);
Magistério
Professor de Direito Constitucional da PUC-RJ (desde 1967);
Livros
Estudos de Direito Público e Privado
Estudos em Homenagem ao Professor Caio Tácito
Manual do Mandado de Segurança
A Democracia Nossa de Cada Dia
Estudo das Transformações da Ordem Política
Fonte: Consultor Jurídico
why women cheat why do men have affairs why married men cheat
why women cheat cheaters why married men cheat
how to cheat on husband I cheated on my girlfriend catching a cheater
how to terminate a pregnancy naturally centaurico.com abortion clinics in oklahoma
will my girlfriend cheat site cheat on my girlfriend
how to cheat on my husband why men have affairs cheaters
wife cheated on me now what i want to cheat on my wife wife wants to cheat