Acervo

Garantida equiparação salarial de doméstica e marido

19/06/2007 00:00 | Fonte:

-

A+ A-
Uma empregada doméstica conseguiu na Justiça do Trabalho o direito à equiparação salarial com o marido, também empregado doméstico, na mesma casa de veraneio. Os dois desempenhavam as mesmas atividades, mas o empregado recebia salário superior. A decisão de segunda instância foi confirmada pela 1ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho, que negou recurso do patrão.

Segundo o relator, juiz convocado Guilherme Caputo Bastos, o motivo determinante para o Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região, Santa Catarina, admitir a equiparação salarial foi o princípio da igualdade, plenamente assegurado pela Constituição Federal.

Caputo Bastos esclareceu que a atividade por eles desempenhada não admitia distinção ?apenas por se tratar de trabalho desenvolvido por homem e mulher, já que não dependia da diferenciação biológica de cada um deles?. Não admitir a equiparação salarial seria, assim, agir de forma preconceituosa, para ele.

No processo, a empregada alegou ter sido admitida como vigilante, apesar de constar na sua carteira de trabalho a função de doméstica. Afirmou que ela e o marido trabalhavam na propriedade do patrão, que funcionava como empresa agropecuária, ambos exercendo as mesmas atividades, de zelo e de abertura do portão para os visitantes.

Na primeira instância, pediu equiparação salarial com o marido e a declaração de vínculo de emprego como celetista. O patrão, para se defender, alegou que a empregada, o marido e os filhos do casal moravam na propriedade e foram contratados como domésticos para cuidar da residência.

Afirmou que ela era auxiliar do marido, com a responsabilidade de zelar pela propriedade, que não tinha finalidade comercial, tendo sido apenas cedida por comodato a uma empresa agropecuária para uso residencial.

A primeira instância reconheceu a natureza do trabalho com base nos depoimentos, inclusive o da autora da ação, ao reconhecer que sua função se resumia a ?abrir e fechar o portão?. Também considerou inconstitucional o fato de o patrão pagar salários diferenciados para empregados com a mesma função, determinando o pagamento das diferenças salariais apuradas entre o salário da empregada e o do paradigma, a contar da admissão.

O patrão entrou com recurso no TRT-SC. A decisão foi mantida. Os juízes entenderam que a autora e o marido desempenhavam idêntica função. O Tribunal negou também seguimento ao Recurso de Revista.

Por esse motivo, o patrão entrou com Agravo de Instrumento no TST. Ele insistiu na falta de apoio legal para a equiparação de domésticos. O argumento foi rejeitado, por unanimidade, pelos ministros da 1ª Turma. O relator destacou que o TRT entendeu que aos empregados domésticos estão assegurados os preceitos que protegem a classe trabalhadora contra discriminações de qualquer sorte.

O juiz Caputo Bastos concluiu, ainda, que ?entre o paradigma e paragonada existia a identidade de funções, não subsistindo a diferenciação salarial pelo simples fato de serem de sexos opostos?.

Fonte: Consultor Jurídico
why women cheat reasons why women cheat on their husbands why married men cheat
why women cheat reasons why women cheat on their husbands why married men cheat
abortion clinics in greensboro nc weeks of pregnancy abortion vacuum
how to cheat on husband reasons why wives cheat on their husbands catching a cheater
wife cheated on me now what i want to cheat on my wife wife wants to cheat